quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Doismileoito.

Ganhamos o Festival do Minuto na categoria 10 segundos com o “Prisão Perpétua”. Por outro lado o da lagartixa, que deu muito mais trabalho, não levou nada. O iPod deu pau e comprei um MP4 genérico. Fui péssimo no boliche numa quinta, e na outra só fiz strike. Mudei da publicidade para a televisão. Passei o carnaval indo ao cinema. Andei de limusine no centrão de BH. Virei a noite numa rave pela primeira vez, a trabalho. Quebrei o caju do Caju. Comi de graça em vários bares fazendo matéria sobre o Comida di Buteco. O padre voador merece o Prêmio Darwin do ano. Participei de uma mesa redonda no Uni-BH. Visitei o Museu das Reduções e comi sorvete de rosas. Indiana Jones decepcionou, mas Batman superou as expectativas e foi provavelmente o filme do ano. Escrevi sete capítulos para a novela “A Velha Debaixo da Cama”, e meu capítulo 5 foi publicado na piauí. A Bon Jovi Cover só fez um show em Lagoa Santa e outro de improviso na despedida do Ded’s, mas os dois foram um barato. O Piano Alemão foi penta e hexa na Quinta Master do Canapé. Acompanhei as Olimpíadas dia a dia e vi ao vivo todos os ouros do Brasil (foram só três). Molly Jones passou uma semana de couchsurfing aqui em casa, mas quem dormiu no sofá fui eu. Fui na pré-estréia de “Linha de Passe” e conheci Daniela Thomas e Sandra Corveloni. Fiz o primeiro módulo da Escola Livre de Cinema. Me vesti de ninja, ET e duende do Papai Noel. Depois de um hiato considerável, o ABUNN voltou com uma porção de músicas novas. Meu HD deu pau e perdi tudo que tinha feito em 2008. Conheci Tia Dulce, Zé do Caixão e outras figuras antológicas. Tive minha primeira aula à luz de velas. Troquei meu celular depois de quase oito anos. Depois de meses enrolando, começamos a segunda temporada de A Saga de Tião. Nunca confie em um guardador de carros. Um carro capotou na nossa frente na Nossa Senhora do Carmo, mas o Adriano conseguiu desviar. Andei de metrô várias vezes no BH Music Station. Filmamos “Aquele Que Está Lá” em dois dias, e eu fiz a captação de som. Assisti a filme pra caramba, mas ainda não bati o recorde de 2004. Minha única viagem de verdade foi pra Mariana durante o Festival da Vida, mas vou passar o reveillón na praia pela primeira vez em cinco anos. Até doismilenove!

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

terça-feira, 2 de dezembro de 2008



Falando em escritos, já está no ar a segunda temporada da história em pedaços A Saga de Tião. Vladmir e Natasha Maria, agora Sebastião e Filisbina, vivem em algum canto obscuro do interior do Acre, e de soviéticos urbanos passaram a seres do mato.

A proposta inicial continua: cada capítulo é escrito alternadamente por Lucas Paio e Daniel de Pinho, e no final de cada texto será postada uma frase avulsa e esdrúxula a ser encaixada no capítulo seguinte. O diferencial nesta temporada 2.0 é que essa frase será postada pelos leitores nos comentários. Ou seja, qualquer um pode deixar sua contribuição e colocar os autores numa arapuca literária. Entrem lá: http://sagadetiao.blogspot.com.



A novela em dez capítulos "A Velha Debaixo da Cama", publicada ao longo de dois mil e oito na revista piauí e cujos bastidores o leitor deste blog acompanhou também por aqui, está agora disponível no site da revista para visualização online e impressão em celulose, devidamente diagramada. Uma pena que a versão em átomos não venha com a edição de dezembro da revista, mas quem quiser imprimir, grampear e colar as folhas é só entrar aqui e seguir as instruções. Já sua contraparte cibernética, onde os cliques aposentaram os dedos lambidos na função de virar páginas, pode ser apreciada aqui. E aproveitando o embalo, fica aqui meu agradecimento à revista por ter participado de tão garboso concurso e um abraço a Rodolfo Viana, Claudio Parreira, Ciço Léo, Franco Neviani, W. Surtan, Hemetério, Juliana Simões, André K. e Paulo Vicente Alves Cruz, competidores e colegas na feitura da absurda saga de Antônio, Maria e o Coronel Mergulhão.

Quem

Lucas Paio já foi campeão mineiro de aviões de papel, tocou teclado em uma banda cover de Bon Jovi, vestiu-se de ET e ninja num programa de tevê, usou nariz de palhaço no trânsito, comeu gafanhotos na China, foi um rebelde do Distrito 8 no último Jogos Vorazes e um dia já soube o nome de todas as cidades do Acre de cor, mas essas coisas a gente esquece com a idade.

Busca no blog

Leia também


Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Crônicas de um mineiro na China


Uma história parcialmente non-sense escrita por Lucas Paio e Daniel de Pinho

Arquivo