quinta-feira, 18 de março de 2010

Causos rápidos

 

Minha professora anda me chamando de Kasilu. "Ô Kasilu, lê a próxima frase". "Kasilu, responde essa". Depois é que fui entender o "apelido": como na China todo mundo ganha um nome no idioma local, o meu "Lucas" virou "Lukasi". Só que, para os chineses, a primeira sílaba é o sobrenome (sim, Mao era o último nome de Mao Tsé-Tung). Ela deve ter achado que estava "ocidentalizando" meu nome ao me chamar de Kasilu... 

*** 

Então estava eu na cantina da universidade, almoçando com um carioca, um belga, um nigeriano e um italiano. O italiano, que da mesa só conhecia o belga, saiu pra ir ao banheiro. A comida chegou - boi, frango, vegetais, mais um potinho de arroz pra cada - e o nigeriano disse: "Eu gostaria de rezar antes da refeição, como sempre faço". Ficamos em silêncio, claro, enquanto ele se apoiava na mesa e orava em voz alta e de cabeça baixa. Nisso o italiano volta do banheiro, olha a cena e lasca: "Quê isso, tá conversando com o arroz?" 

*** 

E umas semanas atrás, que fui fazer um frila de locutor para um videozinho da HP? O serviço é bem comum por aqui, e eles pagam estrangeiros pra lerem algumas frases simples em sua língua materna. Ao final, a chinesa que me contratou perguntou: 

- So, which country are you from in Brazilian? 

Quem

Lucas Paio já foi campeão mineiro de aviões de papel, tocou teclado em uma banda cover de Bon Jovi, vestiu-se de ET e ninja num programa de tevê, usou nariz de palhaço no trânsito, comeu gafanhotos na China, foi um rebelde do Distrito 8 no último Jogos Vorazes e um dia já soube o nome de todas as cidades do Acre de cor, mas essas coisas a gente esquece com a idade.

Busca no blog

Leia também


Cinema por quem entende mais de mesa de bar

Crônicas de um mineiro na China


Uma história parcialmente non-sense escrita por Lucas Paio e Daniel de Pinho

Arquivo